Descubra como sair do vermelho

Contas em dia, tranquilidade financeira

Tirar a conta bancária do vermelho e atingir uma situação financeira estável exige mudança radical em alguns comportamentos, principalmente no estilo de vida. É fundamental que os hábitos estejam de acordo com as reais possibilidades financeiras.

 

Reorganizar as contas é uma tarefa que requer disciplina e determinação, pois não é fácil resistir às tentações do mundo capitalista, em que o incentivo ao consumo é muito maior que à poupança. O ciclo do endividamento começa com a falta de educação financeira, passa pelo consumismo sem critérios, que recebe fortes influências do marketing e da propaganda, e termina na oportunidade de crédito acessível aos consumidores.

 

Uma vez que o endividado entenda a importância de se reorganizar financeiramente, o primeiro passo para acabar com as dívidas é realizar um diagnóstico e saber exatamente quanto está devendo e para quem. É igualmente importante fazer um levantamento das suas receitas, de tudo o que entra na conta, seja em forma de salário, benefício ou renda extra. Com todas essas anotações em mãos, ficará mais fácil saber a quantia que você realmente tem à sua disposição e quais gastos precisará reduzir ou até mesmo eliminar para fazer sobrar mais dinheiro.

Depois, juntamente com a família, faça um mutirão para conseguir baixar o valor de contas como a de água e a de energia elétrica.

Outra solução é buscar meios de aumentar a renda, pelo menos até conseguir equilibrar a vida financeira. Nessa situação, contar com o apoio da família também é uma excelente pedida. Juntos, vocês podem produzir algo em casa para vender aos amigos, por exemplo.

Estabelecendo prioridades

Após essa “ginástica” financeira, a orientação dos especialistas é que você comece quitando as dívidas que podem colocar em risco os seus bens, como casa, carro e demais propriedades. Observe que, em alguns tipos de empréstimos, o seu patrimônio pode ser tomado em caso de inadimplência.

Na sequência, faça o pagamento das despesas que apresentam taxas de juros muito altas, como o cartão de crédito e o cheque especial. Também é preciso dar uma atenção especial àquelas que podem gerar cortes de serviços essenciais, como a luz e a água.

A partir daí, concentre seus esforços nas dívidas que possuem juros mais baixos, como é o caso de um empréstimo consignado.